15 de setembro de 2011

Oração à Nossa Senhora das Dores


 
Ó Mãe das Dores!
Rainha dos mártires, que tanto chorastes vosso Filho, morto para me salvar, alcançai-me uma verdadeira contrição dos meus pecados e uma sincera mudança de vida.
Mãe pela dor que experimentastes quando vosso divino Filho, no meio de tantos tormentos, inclinando a cabeça expirou à vossa vista sobre a cruz, eu vos suplico que me alcanceis uma boa morte. Por piedade, ó advogada dos pecadores, não deixeis de amparar a minha alma na aflição e no combate da terrível passagem desta vida a eternidade.
E, como é possível que, neste momento, a palavra e a voz me faltem para pronunciar o vosso nome e o de Jesus, rogo-vos, desde já, a vós e a vosso divino Filho, que me socorrais nessa hora extrema e assim direi: Jesus e Maria, entrego-vos a minha alma.
Amém.


Limeira: da capital da laranja à cidade das joias e folheados




Neste dia de comemoração, a cidade vive um tempo de grandes expectativas de um futuro melhor. “Limeira é a bola da vez”, diz o historiador José Eduardo Heflinger Júnior, que conta como o município, considerado a capital da laranja, chegou a cidade das joias e folheados. A cidade vive um momento de progresso e expansão econômica, com a chegada de grandes empresas. Heflinger ainda salienta que agora é hora de aproveitar e unir as forças para planejar o futuro de Limeira.
A vinda de universidade também é destacada pelos historiadores como fator contribuinte para o crescimento da cidade.
O professor de história João Rafael Corrêa dos Santos diz que hoje é dia de reflexão. Relembrar os fatos históricos que fizeram da cidade o que ela é hoje.
A história começa em 1822, quando a Vila da Constituição (Piracicaba) realizou um censo e descobriu que na região do Morro Azul e Tautibi havia mais de 900 pessoas livres e cerca de 500 escravos. Na época, a produção nas grandes fazendas era de açúcar redondo. A Fazenda Ibicaba, do senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, surgiu nesse período também. Vergueiro foi um dos maiores incentivadores para que Limeira se tornasse um povoado. O solo rico atraiu diversos povos. Como a produção começou a aumentar, era necessário abrir uma estrada para escoar a demanda dessa produção. A abertura aconteceu em 1823, com a permissão de Oyenhoussen, governador da província de São Paulo. Foi construída a estrada Morro Azul Tatuibi/São Carlos (Campinas, atualmente). Às suas margens surgiu um povoado. As terras eram de Luiz Monoel da Cunha Bastos, que, junto com o senador Vergueiro, assinou a doação para que esse povoado se desenvolvesse. Três anos depois, Cunha Bastos morreu assassinado. As terras doadas começaram a ser vendidas, ilegalmente. Só em1830, alguns documentos apareceram. Surgiu, então, a Freguesia da Limeira (antecedia a vila). Depois vieram os barões do café e a imigração dos europeus.
Em 1863, Limeira torna-se cidade e o sistema de parceria entra em decadência. O senador Vergueiro fale e a família Levy compra a Ibicaba. No final do século 19, as terras que não eram boas para o café eram usadas para a plantação de laranja. Mário de Souza Queiroz foi o primeiro a fazer enxerto, e depois vender mudas. Major José Levy Sobrinho veio tempos mais tarde. “Assim Limeira se tornou a capital da laranja, até a década de 60, que deu lugar às joias e folheados e hoje soma muitas conquistas e vive esse momento de progresso novamente”, conta Heflinger. Ele ainda salienta que a lenda de João das Mercês é difundida pela história, mas não passa de relatos inventados, talvez, na época.


Limeira – 185 anos



Amanhã, Limeira estará completando 185 anos, pois teve início em 1826, conforme comprovam os documentos históricos daquela época, notadamente o Livro de Registro das Capellas da Cúria Metropolitana da cidade de São Paulo, onde está registrado que “Limeira – Teve começo esta povoação no ano de 1826, edificando-se logo uma Capella que teve o título de Nossa Senhora das Dores”. Anteriormente àquela data, havia apenas uns poucos moradores, dispersos pelas grandes fazendas de café, situadas na região onde localiza o atual Município de Limeira.
Por decreto de 1830, do Imperador, D. Pedro I, foi criada a Freguesia de Nossa Senhora das Dores do Tatuiby (que na língua tupi quer dizer tatu pequeno), com a demarcação de suas divisas e a nomeação do primeiro Juiz de Paz. No ano seguinte, a Capella de Nossa Senhora das Dores de Tatuiby foi elevada a curato, com a nomeação do primeiro pároco, a quem cabia prestar assistência religiosa aos moradores da incipiente freguesia que, com o passar do tempo, começou a crescer, com a chegada de pessoas procedentes de outras regiões da então Província de São Paulo, atraídas pelo trabalho nas culturas de café e de cana-de-açúcar. Alguns anos depois, começaram a chegar os primeiros imigrantes europeus, contratados para trabalhar na Fazenda Ibicaba, de propriedade do Senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, grande empreendedor na iniciativa privada, político influente no Império e pioneiro da tentativa de substituir o trabalho escravo pelo dos colonos europeus livres em nosso País.
Em 1842, a Freguesia de Nossa Senhora das Dores de Tatuiby foi elevada à Vila de Limeira, e vinte e um anos depois, à cidade, graças à iniciativa do Barão do Rio Claro e, em pouco tempo, tornou-se uma das mais prósperas e importantes da então Província de São Paulo.
Por uma lei de 1875, sancionada pelo presidente da Província de São Paulo, foi criada a Comarca de Limeira, que recebeu seu primeiro Juiz de Direito. Em pouco tempo, Limeira se transformou num polo agrícola, cujos produtos eram transportados em lombo de burros até a capital da Província de São Paulo e, de lá, para o Porto de Santos. No retorno, os burros transportavam mercadorias importadas que abasteciam os moradores da cidade e da zona rural. A necessidade de escoamento dos produtos agrícolas produzidos em Limeira, fez com que as lideranças políticas locais conseguissem do Imperador, D. Pedro II, a autorização para que a Estrada de Ferro do Oeste, que interligava a cidade de Campinas a São Paulo, fosse estendida até Limeira. Concluída a extensão dos trilhos, foi festivamente inaugurada a Estação de Limeira da Estrada de Ferro do Oeste, no ano de 1876, facilitando o transporte de passageiros e de produtos agrícolas para a Capital da Província e para o Porto de Santos, pois mencionada ferrovia se interligava com a Estrada de Ferro São Paulo Railway, que partia da cidade de Jundiaí, passava pela cidade de São Paulo e seguia até a cidade de Santos.
Esse importante acontecimento pode ser considerado o alicerce da cidade pujante, com cerca de 180.000 habitantes, limeirenses natos ou por adoção, que amanhã comemorará 185 anos de existência.

Dr. Reynaldo J. G. Busch


12 de setembro de 2011

Semana da Padroeira

Estamos iniciando a semana onde celebramos a padroeira da diocese de Limeira, Nossa Senhora das Dores, 15 de setembro.
A catedral Nossa Senhora das Dores, em Limeira, começa nesta segunda-feira, dia 12, o tríduo, às 19h30. Na quinta-feira, dia da padroeira, acontece, às 10h, missa com a presença de todo clero diocesano e a tarde, às 17h, missa seguida de procissão. As duas missas serão presididas por Dom Vilson Dias de Oliveira, bispo diocesano.
Este ano, todas as paróquias de Limeira estarão unidas participando desta grande festa. Cada paróquia ficará responsável por uma barraca e a renda arrecadada será destinada a construção do Centro Diocesano de Limeira. A quermesse começa na quarta-feira à noite.
Participe!

11 de setembro de 2011

Cruz da JMJ chega em outubro na diocese de Limeira


No próximo dia 18 de setembro, o Brasil recebe a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora, símbolos da Jornada Mundial da Juventude, que será no Rio de Janeiro em 2013, conforme anunciou oficialmente o papa Bento XVI ao encerrar  a Jornada 2011, em Madri, no dia 21 de agosto. A Cruz será recebida pela arquidiocese de São Paulo de onde partirá em peregrinação para as 274 dioceses do país ao longo dos dois anos de preparação do maior evento católico para jovens do mundo.

A Comissão da arquidiocese de São Paulo, organizadora do evento, preparou uma grande festa para acolher a Cruz, que chegará, às 16h, ao Campo de Marte, em São Paulo. Uma missa será celebrada às 16h30, seguida de show.

De acordo com a Comissão, o objetivo da festa é celebrar a chegada da Cruz no Brasil e provocar o entusiasmo nos jovens e nas famílias de todo o país para participar da JMJ e do roteiro de peregrinação da Cruz preparado para o período de 2011 a 2013.

Um grande show católico reunirá vários cantores ao longo de todo o dia 18 de setembro, a partir das 9h, no Campo de Marte, aguardando a chegada da Cruz, que ficará no Estado de São Paulo até 31 de outubro, seguindo para Belo Horizonte (MG), onde chegará no dia 19 de novembro para a peregrinação nas diocese do Regional Leste 2 da CNBB (Minas Gerais e Espírito Santo).

CHEGADA DA CRUZ NA DIOCESE DE LIMEIRA

Na diocese de Limeira, a Cruz chegará dia 11 de outubro, em torno das 23h30, na Catedral Nossa Senhora das Dores, em Limeira, informou dom Vilson Dias de Oliveira, bispo diocesano, em entrevista coletiva realizada, na sexta-feira (2/9,) na Cúria Diocesana de Limeira.

Segundo Dom Vilson, no dia 12 de outubro acontecerá uma Missa, às 10h, na Catedral Nossa Senhora das Dores, com toda a juventude da Diocese. Esta celebração será presidida pelo Bispo Diocesano Dom Vilson Dias de Oliveira, DC, e será abrilhantada pelo Setor Juventude e PJ da diocese (Pe. Vilson Jr. e Pe. Élcio Medeiros).

À tarde, às 16h, sairá uma carreta da Catedral (para o Limeirão): animada pelas paróquias e jovens da cidade de Limeira, levando a Cruz da JMJ, passando por algumas ruas da cidade e chegando ao Estádio Major José Levy Sobrinho (Limeirão), em torno das 18h, onde ela permanecerá na missa presidida pelo Pe. Robson Oliveira, do Divino Pai Eterno, da cidade de Trindade, GO, com todos os padres presentes de várias paróquias, celebrando a Festa da Padroeira do Brasil Nossa Senhora Aparecida e de 45 anos da paróquia Nossa Senhora Aparecida, da cidade de Limeira.

No final da missa terá um momento de envio feito pelo  bispo diocesano, seguido da entrega da Cruz, que neste momento será repassada para a Diocese de Piracicaba.

Todos são convidados a participarem deste momento de fé, particularmente toda a juventude de todas as cidades da Diocese.