29 de janeiro de 2012

SÃO FRANCISCO DE SALES, PADROEIRO DOS JORNALISTAS E DOS SURDOS



Hoje celebramos a memória do fundador das Irmãs Salesianas.

ROMA, terça-feira, 24 janeiro de 2012 (ZENIT.org). - Hoje, 24 de janeiro, celebra-se a memória litúrgica de São Francisco de Sales, lembrado, em particular, pela sua grande humildade e sabedoria, qualidades que utilizou em favor da unidade da Igreja Católica, trazendo de volta a muitos dos que a haviam deixado (a maior parte para os calvinistas) para a comunhão com ela.
Juntamente com a Baronesa Jeanne-Françoise Frèmiot de Chantal fundou a Ordem da Visitação (1610), uma congregação de freiras devotas do Sagrado Coração de Jesus, com a tarefa de infundir no mundo o amor divino através da oração, da contemplação e da visitação aos pobres e doentes.
Bispo e Doutor da Igreja, Francisco de Sales se tornou o padroeiro dos jornalistas, pelo seu hábito de espalhar folhas manuscritas com as próprias homilias, colocando-as por debaixo das portas das casas particulares ou colando-as nos muros.
São Francisco de Sales, é preciso lembrar, além de ser o santo padroeiro dos jornalistas, dos autores, dos escritores e dos surdos-mudos, é o patrono da Ordem das Irmãs Salesianas. Essas piedosas religiosas há quase dois séculos, silenciosamente devotam suas vidas, além da oração, à instrução e à educação cristã da juventude, com especial cuidado com os surdos-mudos e outros deficientes.
Inicialmente, de fato, a Congregação das Irmãs Salesianas da Visitação, reformada em 1890 por Don Filippo Smaldone nas Irmãs Salesianas dos Sagrados Corações, foi criada para ensinar o catecismo para surdos-mudos, depois, com o tempo, extenderam a sua obra colaborando nas paróquias, por meio da educação dos jovens e a catequese às famílias, dirigindo pré-escolas, realizando trabalhos criativos, animações litúrgicas, surgidas das instruções e preocupando-se pela atenção espiritual dos enfermos e dos anciãos. Obras, estas últimas, que ainda desenvolvem. É portanto, necessário, neste dia tão importante, juntamente com as celebrações do Santo, lembrar estas mulheres vigorosas de fé em nossas orações.
Peter Barbini

Fonte: http://www.zenit.org/article-29548?l=portuguese




http://portalgualandi.com.br/site/index.php/noticias/

26 de janeiro de 2012

A Vida deixa inúmeras lições...


A Vida deixa inúmeras lições 
em tudo o que construímos
 no decorrer da nossa história.

Uma delas, é a certeza de que 
o amor verdadeiro se mantém 
e aumenta com o passar do tempo.

22 de janeiro de 2012

A missão de padre Arlindo




No dia 25, ordenação do pároco completará 50 anos.
Logo após terminar o ginásio, ele foi direto para o seminário, em Campinas, onde passou três anos fazendo o colegial. Depois, passou mais três anos estudando Filosofia e quatro anos na Faculdade de Teologia. No próximo dia 25, serão completados 50 anos da ordenação do padre Arlindo De Gaspari, 76 anos.
A primeira igreja onde ele atuou foi em Campinas, como auxiliar, na Paróquia Nossa Senhora das Dores. Em Limeira, cidade onde nasceu em 20 de abril de 1935, fez missas nas igrejas São Benedito e Catedral Nossa Senhora das Dores. Desde 1964, ele é o pároco da Santa Terezinha, ano em que a igreja foi criada. Leia abaixo entrevista com o padre Arlindo, que, quando ingressou no seminário, já sabia qual era sua missão.

Como foi a ideia de ir para o seminário e como foram seus estudos?
Terminei o ginásio e fui para o seminário, em Campinas. Eu já frequentava a igreja e recebi o convite do padre Rafael Dias para ir para lá. Fomos em cinco rapazes. Destes cinco, apenas dois ficaram padres. A gente vai para o seminário e, com o tempo, vê se aquele é o caminho. Muita gente começa e sai. Eu estava lá porque sabia que ia caminhar para isso (ser padre). Fui estudando durante três anos e seguindo os ensinamentos. Fiz ainda, em São Paulo, no Ipiranga, três anos de Faculdade de Filosofia e quatro de Teologia, no Seminário de Teologia do Estado de São Paulo. Aos 26 anos, no dia 25 de janeiro de 1962, fui ordenado.

Após ser ordenado, onde o senhor atuou?
Logo após a ordenação, fui auxiliar no seminário e na Paróquia Nossa Senhora das Dores, em Campinas, durante um ano. Em 1963, vim para Limeira e fiz missas na Igreja São Benedito, cobrindo uma viagem do Padre Gustavo. Por um ano e meio, fui padre auxiliar na Catedral Nossa Senhora das Dores e, no final de 1964, foi criada a Paróquia Santa Terezinha, um desmembramento da catedral, e eu vim para cá. Fiquei muito feliz, pois me tornei um pároco, de fato.

Como era e como é a Santa Terezinha?
 A paróquia diminuiu, porque saíram outras paróquias daqui - como a Santa Ana, no Ouro Verde, São João, na zona rural, entre outras, e algumas capelas. Ela diminuiu em tamanho e passou a prestar uma assistência maior às comunidades que ficaram. Para atender melhor o bairro, criam-se novas paróquias. Por ano, já tivemos mais de 100 casamentos por ano aqui. Hoje são cerca de 50. Já chegamos a ter 500 alunos por ano na catequese. Hoje, são 200 crianças. A paróquia vai ficando envelhecida, as pessoas vão indo para os bairros, os pais vão indo para os bairros. Tem gente que vem nas missas há 50 anos. Há outros que saem, que chegam, que mudam de paróquia.

O senhor acha que a fé está diminuindo?
 A igreja que vive em uma mesma fé tem crescido, evoluído. Na população, eu acho que a fé cresce, mas alguns desistem, mudam, oscilam a opinião e, por falta de convicção, são cativados por outros.

Para a gente encerrar, avalie os seus 50 anos de ordenação.
Na medida do possível, respondi os chamados de Deus com meu trabalho por onde passei. Até quando eu tiver saúde, vou continuar sendo padre. Continuo fazendo o que está no meu alcance como pároco, atendendo pessoas e a catequese. O padre é um instrumento de Deus. Cada um tem uma missão e a minha é essa.

Matéria completa :

 http://www.jlmais.com/index.php?option=com_content&view=article&id=98147:a-missao-de-padre-arlindo&catid=200:geral&Itemid=868


21 de janeiro de 2012

Exposição abre comemoração dos 50 anos de sacerdócio do Padre Arlindo

A Paróquia Santa Terezinha preparou uma programação especial para comemorar o jubileu de ouro do padre Arlindo De Gaspari. O início das comemorações acontece hoje às 19h com missa presidida pelo próprio pároco com a presença da comunidade. Às 20h30, haverá o lançamento da revista "Um padre, uma igreja" e a abertura da exposição de fotos "Padre Arlindo e a comunidade".

Segundo o coordenador do jubileu, Francisco José Vieira Cardoso, as fotos retratam a trajetória de trabalho, carinho e atenção que o padre Arlindo tem com a comunidade e sua dedicação especial aos vocacionados . "A pesquisa é feita desde 2006. Pedi fotos de todos da comunidade para que pudesse montar a exposição", diz. Ele ainda ressalta que foram escolhidas 1.030 imagens. "Iniciamos os trabalhos quatro meses atrás com o material que tínhamos e com o que a comunidade nos enviou. Foram cerca de 2 mil fotos escaneadas, horas gastas na seleção para revelação, identificação da pessoas, confecção das etiquetas, colagem dos painéis, revisão e fixação. a montagem dos painéis levou 24 horas”, explica Cardoso.


Francisco Cardoso mostra imagens do arquivo pessoal do padre, de quando a igreja foi inaugurada 

Fonte : http://www.gazetainfo.com.br/site/?r=noticias&id=6066

17 de janeiro de 2012

CONVITE JUBILEU DE OURO

JUBILEU DE OURO de Ordenação Sacerdotal 
Padre Arlindo Armando De Gaspari



Presença da Pastoral dos Surdos no dia 24.01.2012

Curso de Teologia para leigos recebe inscrições

 O Centro Diocesano de Formação Teológica (CDFT), da Diocese de Limeira, está com inscrições abertas para o curso de Teologia para leigos, que terá início no 4 de fevereiro próximo.


O curso tem como objetivo oferecer aos participantes uma formação teológica básica para aprofundamento da própria fé; qualificar agentes para os vários serviços nas comunidades Cristãs; proporcionar aos participantes maior articulação entre a fé e compromisso social.


A programação do curso está dividida em cinco blocos, sendo eles: Introdutório, Histórico, Teologia Bíblica, Teologia Sistemática e Teologia Moral e Pastoral.
Para se inscrever no curso pede-se que a pessoa tenha no mínimo o ensino médio (2º grau), seja indicado por um padre e que de preferência esteja engajado em uma  pastoral na comunidade. Contudo, poderá participar TODA PESSOA que, mesmo não tendo concluído o ensino médio, tenha sido indicado por um padre.


Outras informações e matrículas podem ser adquiridas no Centro Diocesano de Formação Teológica, localizado à rua Alferes Franco, 80 – Centro (anexo à Cúria Diocesana), telefone  (19) 3441-5329 Ramal 212, ou na Livraria  Catedral, localizada à rua Senador Vergueiro, 993 - Centro, em Limeira, telefone (19) 3451-9107 ou 3038-0776.


http://www.diocesedelimeira.org.br/novo/noticia.php?id_noticia=1302

6 de janeiro de 2012

6 de Janeiro - Dia de Reis e da Epifania do Senhor


       
O "Dia de Reis" é uma das festas tradicionais mais singelas celebrada em todo o mundo católico. Neste dia se comemora a visita de um grupo de reis magos (Mt 2 1 -12), vindos do Oriente, para adorar a "Epifania do Senhor". Ou seja, o nascimento de Jesus, o Filho por Deus enviado, para a salvação da humanidade.

O termo "mago" vem do antigo idioma persa e serviu para indicar o país de suas origens: a Pérsia. Eram reis, porque é um dos sinônimos daquela palavra, também usada para nomear os sábios discípulos de uma seita que cultuava um só Deus. Portanto, não eram astrólogos nem bruxos, ao contrário, eram inimigos destas enganosas artes mágicas e misteriosas.

Esses soberanos corretos, esperavam pelo Salvador, expectativa já presente mesmo entre os pagãos. Deus os recompensou pela retidão com a maravilhosa estrela, reconhecida pela sabedoria de suas mentes como o sinal a ser seguido, para orientação dos seus passos até onde se achava o Menino Deus.

Foram eles que mostraram ao mundo o cumprimento da profecia de séculos, chegando no palácio do rei Herodes, de surpresa e perguntando "pelo Messias, o recém-nascido rei dos judeus". Nesta época aquele tirano reprimia a população pelo medo, com ira sanguinária. Mas os magos não o temeram, prosseguiram sua busca e encontraram o Menino Deus.

A Bíblia diz que os magos chegaram à casa e viram o Menino com sua Mãe. Isto porque José já tinha providenciado uma moradia muito pobre, mas mais apropriada, do que a gruta de Belém onde Jesus nascera. Alí, os reis magos, depois de adorar o Messias, entregaram os presentes: ouro, incenso e mirra. O ouro, significa a realeza de Jesus; o incenso, sua essência divina e a mirra, sua essência humana. Prestada a homenagem, voltaram para suas nações, evitando novo contato com Herodes, como lhes indicou o anjo do Senhor.

A tradição dos primeiros séculos, seguindo a verdade da fé, evidenciou que eram três os reis magos: Melquior, Gaspar e Baltazar. Até o ano 474 seus restos estiveram sepultados em Constantinopla, a capital cristã mais importante do Oriente, depois foram trasladados para a catedral de Milão, na Itália. Em 1164 foram transferidas para a cidade de Colônia, na Alemanha, onde foi erguida a belíssima Catedral dos Reis Magos, que os guarda até hoje.

No século XII, com muita inspiração, São Beda, venerável doutor da Igreja, guiado por uma inspiração, descreveu o rosto dos três reis magos, assim: "O primeiro, diz, foi Melquior, velho, circunspecto, de barba e cabelos longos e grisalhos... O segundo tinha por nome Gaspar e era jovem, imberbe e louro... O terceiro, preto e totalmente barbado chamava-se Baltazar (cfr. "A Palavra de Cristo", IX, p. 195)".

Deus revelou seu Filho ao mundo e ordenou que o acatassem e seguissem. Os reis magos fizeram isto com toda humildade, gesto que simboliza o reconhecimento do mundo pagão desta Verdade. Isso é o mais importante a ser festejado nesta data. A revelação, isto é, a Epifania, que confirma a divindade do Santo Filho de Deus feito homem, que no futuro sacrificaria a própria vida em nome da salvação de todos nós.


1 de janeiro de 2012

Deus abençoe você e toda família. Feliz Ano Novo !!



O melhor de Deus está por vir.

FELIZ 2012 !!!

Dia Mundial da Paz - 1 DE JANEIRO DE 2012

MENSAGEM DE SUA SANTIDADE BENTO XVI





 Educar para a paz
 5. « A paz não é só ausência de guerra, nem se limita a assegurar o equilíbrio das forças adversas. A paz não é possível na terra sem a salvaguarda dos bens das pessoas, a livre comunicação entre os seres humanos, o respeito pela dignidade das pessoas e dos povos e a prática assídua da fraternidade ».[8] A paz é fruto da justiça e efeito da caridade. É, antes de mais nada, dom de Deus. Nós, os cristãos, acreditamos que a nossa verdadeira paz é Cristo: n’Ele, na sua Cruz, Deus reconciliou consigo o mundo e destruiu as barreiras que nos separavam uns dos outros (cf. Ef 2, 14-18); n’Ele, há uma única família reconciliada no amor.
 A paz, porém, não é apenas dom a ser recebido, mas obra a ser construída. Para sermos verdadeiramente artífices de paz, devemos educar-nos para a compaixão, a solidariedade, a colaboração, a fraternidade, ser activos dentro da comunidade e solícitos em despertar as consciências para as questões nacionais e internacionais e para a importância de procurar adequadas modalidades de redistribuição da riqueza, de promoção do crescimento, de cooperação para o desenvolvimento e de resolução dos conflitos. « Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus » – diz Jesus no sermão da montanha (Mt 5, 9).
 A paz para todos nasce da justiça de cada um, e ninguém pode subtrair-se a este compromisso essencial de promover a justiça segundo as respectivas competências e responsabilidades. De forma particular convido os jovens, que conservam viva a tensão pelos ideais, a procurarem com paciência e tenacidade a justiça e a paz e a cultivarem o gosto pelo que é justo e verdadeiro, mesmo quando isso lhes possa exigir sacrifícios e obrigue a caminhar contracorrente.
 Levantar os olhos para Deus
 6. Perante o árduo desafio de percorrer os caminhos da justiça e da paz, podemos ser tentados a interrogar-nos como o salmista: « Levanto os olhos para os montes, de onde me virá o auxílio? » (Sal 121, 1).
 A todos, particularmente aos jovens, quero bradar: « Não são as ideologias que salvam o mundo, mas unicamente o voltar-se para o Deus vivo, que é o nosso criador, o garante da nossa liberdade, o garante do que é deveras bom e verdadeiro (…), o voltar-se sem reservas para Deus, que é a medida do que é justo e, ao mesmo tempo, é o amor eterno. E que mais nos poderia salvar senão o amor? ».[9] O amor rejubila com a verdade, é a força que torna capaz de comprometer-se pela verdade, pela justiça, pela paz, porque tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (cf. 1 Cor 13, 1-13).
 Queridos jovens, vós sois um dom precioso para a sociedade. Diante das dificuldades, não vos deixeis invadir pelo desânimo nem vos abandoneis a falsas soluções, que frequentemente se apresentam como o caminho mais fácil para superar os problemas. Não tenhais medo de vos empenhar, de enfrentar a fadiga e o sacrifício, de optar por caminhos que requerem fidelidade e constância, humildade e dedicação.
 Vivei com confiança a vossa juventude e os anseios profundos que sentis de felicidade, verdade, beleza e amor verdadeiro. Vivei intensamente esta fase da vida, tão rica e cheia de entusiasmo.
 Sabei que vós mesmos servis de exemplo e estímulo para os adultos, e tanto mais o sereis quanto mais vos esforçardes por superar as injustiças e a corrupção, quanto mais desejardes um futuro melhor e vos comprometerdes a construí-lo. Cientes das vossas potencialidades, nunca vos fecheis em vós próprios, mas trabalhai por um futuro mais luminoso para todos. Nunca vos sintais sozinhos! A Igreja confia em vós, acompanha-vos, encoraja-vos e deseja oferecer-vos o que tem de mais precioso: a possibilidade de levantar os olhos para Deus, de encontrar Jesus Cristo – Ele que é a justiça e a paz.
 Oh vós todos, homens e mulheres, que tendes a peito a causa da paz! Esta não é um bem já alcançado mas uma meta, à qual todos e cada um deve aspirar. Olhemos, pois, o futuro com maior esperança, encorajemo-nos mutuamente ao longo do nosso caminho, trabalhemos para dar ao nosso mundo um rosto mais humano e fraterno e sintamo-nos unidos na responsabilidade que temos para com as jovens gerações, presentes e futuras, nomeadamente quanto à sua educação para se tornarem pacíficas e pacificadoras! Apoiado em tal certeza, envio-vos estas refl exões que se fazem apelo: Unamos as nossas forças espirituais, morais e materiais, a fim de « educar os jovens para a justiça e a paz ».
 Vaticano, 8 de Dezembro de 2011.

FONTE :  http://www.blogpaulinas.blogspot.com/

MENSAGEM DE ANO NOVO DE DOM CELSO – BISPO REFERÊNCIA DA PASTORAL DOS SURDOS

 

 Mensagem para Janeiro de 2012
O Deus da paz vos conceda santidade perfeita. 
Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo! (1Ts 5, 23)


Ao iniciar deste novo ano nossos corações anseiam por dias melhores, mais saudáveis e prósperos. Certamente, ninguém deseja algo diferente. Todos querem dias de paz, de convivência alegre e construtiva. Ao desejarmos “feliz ano novo” para nossos familiares e amigos, queremos dizer, verdadeiramente, que desejamos a eles os melhores votos de paz e alegria, de saúde e de vitória, dias iluminados pela graça de Deus.
Sim, é isso mesmo que desejo a vocês todos e aos seus familiares neste novo ano que estamos apenas começando. Com os olhos fixos em Jesus, nossa luz, contemplemos os próximos 366 dias como um presente de Deus. Usemos bem deste novo tempo e, com nossa criatividade e força que de Deus recebemos, unamo-nos para construirmos um mundo melhor, um mundo onde todos se sintam irmãos, um mundo onde todos tenham a oportunidade de viver na liberdade de filhos de Deus, deste Deus que é a fonte da paz e da alegria.
Iluminados pela fé olhemos para este novo ano com muita esperança. Cultivemos um anseio profundo por aquele que é o “Príncipe da paz” (cf Is 9, 5), Jesus, distribuidor da divina misericórdia e autor da salvação. Sem ele nada poderemos fazer. Com ele, porém, tudo será possível.
Com os olhos voltados para Jesus, no colo de Maria, sua Mãe, abertos à verdade e ao amor, adentremos progressivamente no novo ano que Deus nos concede para viver e avancemos com esperança. Animemo-nos mutuamente para que, com alegria e renovada coragem, nos empenhemos na busca da verdade, na defesa do bem comum e na construção de um mundo novo, onde todos poderão viver na santidade e na paz.
Dom Celso A. Marchiori
Bispo de Apucarana

 

 Fonte: http://www.effata.org.br/?s=eventos&ss=detalhes&id=217