24 de dezembro de 2013

21 de dezembro de 2013

BOAS FESTAS!!!



Mensagem de Natal do Bispo Diocesano de Limeira



“A Palavra de Deus se encarnou e armou sua tenda entre nós” – o impensável aconteceu: Deus se faz gente como nós para revelar o amor que tem para conosco. Hoje os seres humanos são convidados a se alegrar, pois, no Filho, Deus assume radicalmente o humano. Jesus é o ponto de encontro da humanidade com Deus. Hoje começou a redenção do humano.
Em todos os Natais confirmamos que Deus está presente em nossas vidas, sempre que nos reunimos para comemorar o aniversário de Jesus. Renovemos nossa fé e podemos ver que o amor é o caminho para que haja PAZ em todo o mundo.
Que a imagem do nascimento de Jesus, que nasce em panos simples, esteja em nossas comunidades e lares. Que possamos acolher Jesus Cristo, e que este seja um natal de amor, de perdão e de solidariedade. Que não falte a participação da comunidade e a nossa presença na eucaristia. Que não falte o nosso abraço em Deus e nos irmãos mais pobres. Vivamos o geste da partilha, compartilhando com aqueles que mais precisam.
Um Feliz e Santo Natal e que 2014 seja um ano de muita prosperidade e paz a todos vocês e suas famílias.

Dom Vilson Dias de Oliveira, DC

Bispo Diocesano de Limeira



“Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um Filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel (Deus conosco)” - Homilia – 4º Domingo do Advento


Leituras: Isaías 7, 10-14; Salmo 23 (24); Romanos 1, 1-7;
Mateus 1, 18-24 (José e Maria).
COR LITÚRGICA: ROXO.



Neste domingo, o último do Advento, chegando ao ponto alto de nossa espera, despontam para nós os lampejos de um novo amanhecer, anunciando a chegada do Sol da justiça, o Emanuel, o Deus conosco. Ele é a manifestação do segredo escondido em Deus, há séculos: a salvação, a vida plena e feliz para toda a humanidade.
A antífona de entrada, inspirada no Salmo 45,8, evoca a descida do orgulho celeste que faz brotar da terra, a salvação. É um vivo sinal do maravilhoso encontro do divino e do humano em Jesus de Nazaré que a liturgia de hoje evidencia.
O acendimento das quatro velas nos confirma a chegada plena da luz no seio bendito de Maria, grávida pelo Espírito Santo e na fiel obediência de José, o homem justo. Ambos, modelos do Advento, vivem ardente espera do Salvador em meio à obscuridade da fé e às ambigüidades e provas da frágil condição humana.
Mesmo na alucinação das compras natalinas, aturdidos pelos anúncios de um Natal esvaziado pelo consumismo e devotados ao ídolo mercantilista e tirano do dinheiro, a humanidade e todo o universo clamam esperançosos pelo Reino e se enternecem diante da simplicidade, da gratuidade, de relações verdadeiras, do serviço desinteressado do pequeno resto, da geração dos que buscam a Deus. Sinalizam a chegada do “Emanuel” e da força de seu Espírito, gerando, com autenticidade e sem muito barulho, um mundo novo.


Fonte: http://diocesedelimeira.org.br

14 de dezembro de 2013

“Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. Germine e exulte de alegria e louvores” - Homilia – 3º Domingo do Advento


Leituras: Isaías 35, 1-6a.10; Salmo 145 (146); Tiago 5, 7-10;
Mateus 11, 2-11 (Jesus fala sobre João Batista). 
COR LITÚRGICA: ROXO OU RÓSEO.



  
Ao aguardarmos a vinda de uma pessoa querida e identificando vários sinais que já confirmam sua chegada, a esperança brilha com maior força e o empenho de preparação para sua vinda se transforma em alegria. É o que experimentamos neste terceiro domingo do Advento, chamado de “domingo da alegria”, ou Gaudete. Somos tocados por alegre júbilo pela proximidade da vinda do Senhor, já na antífona de entrada: “Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto” (Cf. Fl 4, 4-5). Esta será a tônica motivadora de toda a celebração.

Aquele que esperamos, o Deus fiel que transforma o deserto em jardim, que exerce a justiça a favor dos pobres e oprimidos, se aproxima. E mais ainda, Ele já está entre nós e com ele preparamos o advento do seu Reino. Vida plena e feliz para todos, oprimidos libertados em festa, harmonia e solidariedade entre os povos, natureza preservada, são sonhos de salvação ainda esperados por nós e alimentados pela nossa fé.

Já próximos do Natal, na terceira semana de preparação, é tempo de redobrar nossa esperança e, contentes, irmãos ao encontro do Senhor que sempre vem. Nossas velas acesas, agora são três, em crescente brilho, anunciam a certeza de sua chegada. Cada celebração deve ser um ensaio e uma antecipação do Reino.


“Todas as pessoas verão a salvação de Deus” - Homilia – 2º Domingo do Advento


Leituras: Baruc 5, 1-9; Salmo 126 (125), 1-2ab.2cd-3.4-5.6 (R/3);
Carta de São Paulo aos Filipenses 1, 4-6.8-11; Lucas 3, 1-6. 
COR LITÚRGICA: ROXA




Quando vier pela segunda vez, o Senhor deverá nos encontrar preparados, razão pela qual temos de nos converter, tal como o Batista pregava junto ao rio Jordão.

Será necessário preparar o caminho do Senhor, endireitar suas veredas, aterrar os vales, rebaixar as montanhas e colinas, tornar retas as passagens tortuosas e aplainar os caminhos acidentados. A convocação é para uma mudança radical, conversão de verdade. Mudança de mentalidade e de atitudes profundas.

Se olharmos para a nossa realidade, percebemos tantos “caminhos” que precisam ser endireitados. O Senhor virá e toda a terra verá a salvação, os frutos da justiça irão florescer.

Ele nos dará o dom do discernimento para fazermos opções, de acordo com a proposta do seu Reino. Nesta celebração, renovamos nossa fé no Senhor que não nos abandona jamais.


1 de dezembro de 2013

“Vinde … Deixemo-nos guiar pela luz do Senhor” – 1º Domingo do Advento




Leituras: Isaías 2, 1-5; Salmo 121 (122); 
Carta de São Paulo aos Romanos 13, 11-14a.
COR LITÚRGICA: ROXA

Neste domingo, iniciamos mais um Ano Litúrgico. Reunindo desejos, sonhos e utopias da humanidade por profundas transformações e dias melhores, manifestadas em veementes clamores em nossos dias, iniciamos o tempo do Advento. Como “memorial da esperança”, o advento alarga nossa vida para acolher o grande mistério da encarnação.
Na perspectiva do Natal e Epifania do Senhor, como acontecimentos sempre novos e atuais, vislumbramos vigilantes e esperançosos, a lenta e paciente chegada de seu Reino e sua manifestação em nossa vida e na história. O Senhor nos garante que, nesta espera, não seremos desiludidos, como nos lembra a antífona de entrada deste domingo.
A liturgia abre para nós um tempo favorável  de vigilância e conversão, de retomada de nossas opções como discípulos daquele que sempre vem e cuja ação é libertadora, consoladora  e salvífica.
Acendendo, neste domingo, a primeira vela da coroa do Advento, somos convidados a aguçar nossa atenção, acordarmos do sono da passividade para melhor percebermos os sinais da chegada do Reino no cotidiano e, mais despertos, nos levantarmos da acomodação, do individualismo e do consumismo que marcam nosso tempo e nos paralisam.
Por isso, pedimos, na oração inicial, que o Pai nos conceda ardente desejo de buscar o Reino e com nossas boas obras, acorrermos ao encontro do Senhor, cuja vinda nos alegra e salva como cantamos no salmo.


Fonte: http://diocesedelimeira.org.br

Advento