14 de dezembro de 2013

“Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. Germine e exulte de alegria e louvores” - Homilia – 3º Domingo do Advento


Leituras: Isaías 35, 1-6a.10; Salmo 145 (146); Tiago 5, 7-10;
Mateus 11, 2-11 (Jesus fala sobre João Batista). 
COR LITÚRGICA: ROXO OU RÓSEO.



  
Ao aguardarmos a vinda de uma pessoa querida e identificando vários sinais que já confirmam sua chegada, a esperança brilha com maior força e o empenho de preparação para sua vinda se transforma em alegria. É o que experimentamos neste terceiro domingo do Advento, chamado de “domingo da alegria”, ou Gaudete. Somos tocados por alegre júbilo pela proximidade da vinda do Senhor, já na antífona de entrada: “Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto” (Cf. Fl 4, 4-5). Esta será a tônica motivadora de toda a celebração.

Aquele que esperamos, o Deus fiel que transforma o deserto em jardim, que exerce a justiça a favor dos pobres e oprimidos, se aproxima. E mais ainda, Ele já está entre nós e com ele preparamos o advento do seu Reino. Vida plena e feliz para todos, oprimidos libertados em festa, harmonia e solidariedade entre os povos, natureza preservada, são sonhos de salvação ainda esperados por nós e alimentados pela nossa fé.

Já próximos do Natal, na terceira semana de preparação, é tempo de redobrar nossa esperança e, contentes, irmãos ao encontro do Senhor que sempre vem. Nossas velas acesas, agora são três, em crescente brilho, anunciam a certeza de sua chegada. Cada celebração deve ser um ensaio e uma antecipação do Reino.